Banner Homepage

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Bacalhau | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Canada | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Cuba | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estoril | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Industria | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Patuleia | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Publicidade | Queirosiana | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Viana do Castelo | Vila Nova de Gaia | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

HISTÓRIAS DESCONHECIDAS DOS GRANDES TRABALHADORES DO MAR recordações da pesca do bacalhau

em Diversos

Referência:
13958

Autor:
AVEIRO, Valdemar

Palavras chave:
Bacalhau | Pesca | Portugal

Ano de Edição:
2009

15,00€


Adicionar Sugerir

Título:
HISTÓRIAS DESCONHECIDAS DOS GRANDES TRABALHADORES DO MAR recordações da pesca do bacalhau
Descrição:

Editorial Futura, Lisboa, 2009. In-8º de 226 págs. Br. Ilusstrado em extra-texto com fotografias a preto e branco.

Observações:

Obra que aborda a faina do bacalhau em navios da pesca de arrasto.

Da Badana


"A mestria aqui é tanto mais sedutora e cativante quanto não pertence ao reino do fingimento e, muito menos da ficção ou da invenção, fazendo-se acompanhar de notáveis qualidades, amáveis e aprazíveis no trato com o leitor, à imagem do seu autor: a sageza, a lhaneza, a coloquialidade, a simplicidade, a simpatia e a bonomia. Diria mesmo que Valdemar Aveiro escreve musicalmente tocando as cordas da sua lira em pizzicato, numa técnica sem parangonas nem espaventos, num tom sem alardes nem tremendismos, consoante ensinava o famoso e clássico Mestre em pizzicatos que foi Monteverdi; qui si lascia l’arco, e si strappano le corde com duoi diti.

Tão simples, tão fácil, tão difícil, tão subtil como isso. E, sobretudo, arriscado na corda tensa do escrever, no tremer da escrita. Já lá escrevia o nosso Padre António Vieira que não há cousa mais escrupulosa no mundo que papel e pena: dois dedos com uma pena na mão é o ofício mais arriscado que tem o género humano."

Obras relacionadas:

Voltar